“Sim, as vezes, a ideia mais delirante, aquela que lhe parece mais impossível, se encasqueta na cabeça com tanta força, que você acaba por julgá-la realizável. Além disso, se essa ideia vem junto com um desejo forte e passional, você passa à considerá-la imprescindível, necessária, algo já predestinado, impossível que não seja, que não ocorra. Talvez haja um elo maior: uma combinação de pressentimentos, um certo esforço inabitual da vontade, um auto-envenenamento da própria imaginação, ou talvez outra coisa… não sei.”

Fiodor Dostoievski  em “O Jogador”. (via oxigenio-dapalavra)